Páginas

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Métodos Contraceptivos Cirúrgicos: Vasectomia e Laqueadura - postado por Édipo

Vasectomia

A vasectomia  é um método contraceptivo através da ligadura dos canais deferentes no homem. É uma pequena cirurgia feita com anestesia local em cima do escroto. Não precisa de internação. É uma cirurgia de esterilização voluntária.
As taxas de falha da vasectomia, são menores que 1%, mas a eficiência da operação e os índices de complicações variam com o nível de experiência do cirurgião que faz a operação e a técnica cirúrgica utilizada. A maioria dos homens sofrerá com pequenos problemas na pele do escroto por três a cinco dias depois da operação. Dados humanos e animais indicam que a vasectomia não aumenta a aterosclerose (doença inflamatória crônica nos vasos sanguíneos) e que o aumento em complexos imunes circulantes após a vasectomia é temporário. Sugere-se também que homem com vasectomia não têm um risco aumentado de câncer de próstata e testículo.
Embora uma falha tardia (causada pela recanalização dos ductos deferentes) seja muito rara, ela também foi documentada. Algumas fontes recomendam anualmente examinar a próstata a partir dos 40 anos de idade.
A vasectomia é o método contraceptivo a longo prazo mais eficiente que existe, e está entre as opções mais seguras para o planejamento familiar. Atualmente muitos homens em seus 30 ou 40 anos são os que mais fazem a vasectomia, a fim de um controlo de natalidade. As taxas de vasectomia em relação às ligações de tuba variam muito no mundo, e as estatísticas estão baseadas principalmente em estudos de questionários do que em contagem dos procedimentos realmente realizados.

Laqueadura

Laqueadura ou ligadura de tubas uterinas (trompas de Falópio) consiste no método de esterilização feminina caracterizada pelo corte ou ligamento cirúrgico a das tubas uterinas, que fazem o caminho dos ovários até o útero. Assim, as tubas uterinas impedem a passagem do óvulo e os espermatozoides não o encontram, não havendo fecundação, ou seja, impossibilitando a gravidez da mulher. É um procedimento seguro que pode ser feito de várias maneiras, sendo necessária a internação e anestesia geral ou regional. Existem cerca de dez técnicas para a laqueadura: podem-se colocar anéis de plástico, queimar e cortar as tubas uterinas, clipes de titânio, fazer com fio de sutura etc. Também existem alguns dos possíveis problemas que podem ocorrer durante o procedimento, como o médico dar um nó muito forte ou atingir as artérias; quando cortar as tubas pode prejudicar a circulação do ovário e suas funções.
Após a operação, o risco de gravidez da mulher é de menos de 1%. O uso de métodos contraceptivos torna-se obsoleto. Porém, uma laqueadura não impede a mulher de contrair DSTs.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário